terça-feira, 13 de junho de 2017

Santo António - Capela na Igreja e Mosteiro de São Vicente de Fora

Capela de Santo António. na Igreja e Mosteiro de São Vicente de Fora (Foto "comjeitoearte", 2016)

O edifício da Igreja e Mosteiro de São Vicente de Fora, localiza-se no bairro de Alfama, no largo de São Vicente, em Lisboa. 

Fundado por D. Afonso Henriques (1109-1185), em 1147, depois da conquista de Lisboa, o mosteiro construído fora das velhas muralhas, foi dedicado ao mártir São Vicente e entregue aos cónegos regrantes de Santo Agostinho.

Em 1210, professou neste local, o cónego regrante de Santo Agostinho, que viria a ser Santo António de Lisboa.

O novo edifício que substituiu a primeira construção, foi mandado edificar por D. Filipe II (1527-1598), em 1582, com projecto de Filippo Terzi (1520-1597). Em 28 de Agosto, de 1629, foi celebrada na igreja a primeira missa.


São Vicente de Fora, em Lisboa - DGPC

A Capela de Santo António, situa-se, segundo a tradição, no antigo espaço ocupado por a cela do santo, nos anos em que foi cónego regrante de Santo Agostinho.
Projectada pelo arquitecto Carlos Mardel (1695-1763) por encomenda do Cardeal Mota, a sua construção rica em mármores polícromos, data de 1740.


Capela de Santo António na Igreja e Mosteiro de São Vicente de Fora (Foto "comjeitoearte", 2016)


No interior da capela existiu uma lápide com inscrição em caracteres góticos, actualmente no interior da igreja, que faz alusão à sepultura naquele local de Teresa Taveira, mãe de Santo António.



Capela de Santo António na Igreja e Mosteiro de São Vicente de Fora (Foto "comjeitoearte", 2016)

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_S%C3%A3o_Vicente_de_Fora

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/71213/

http://digitarq.arquivos.pt/details?id=1461704

http://www.monumentos.pt/site/app_pagesuser/SIPA.aspx?id=6529
https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal



quarta-feira, 31 de maio de 2017

Móbile infantil I pássaro

1 - Mobile 


Mobile em forma de pássaro, realizado com cartolina, é a minha proposta para o Dia da Criança (1 de Junho).


Material:

- Cartolina colorida;
- Papel vegetal;
- Lápis;
- Tesoura com bicos;
- Cola;
- Agulha;
- Furador;
- Fio.


2 - Moldes 

Como fazer:

1. Imprima a figura 2 (moldes A, B e C) sobre cartolina colorida.

2. Coloque o papel vegetal sobre os desenhos B e C (pluma) e copie.

3. Decalque o desenho B sobre a cartolina, 4 vezes.

4. Decalque o desenho C sobre a cartolina, 1 vez.

5. Recorte todas as figuras em cartolina, inclusive as imprimidas (a asa é formada por 5 plumas).

6. Realize os orifícios das peças A e B com um furador.

7. Realize o corte assinalado com a letra a.

8. Perfure as 5 plumas simultâneamente com uma agulha passada pelo centro (figura 2).

9. Passe as 5 plumas através do corte que realizou no corpo do pássaro.

10. Coloque uma gota de cola nos orifícios centrais (realizados com a agulha). Abra as plumas em leque e deixe secar a cola. 

11. Cole o suporte C em cada lado do corpo do pássaro e debaixo das asas (imagem 1).

12. Suspenda o pássaro por um fio passado através do corte a. 

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Tabuleiro em madeira reciclado



Foto: "comjeitoearte", 2017


Um tabuleiro para refeições, sem graça, ganha destaque e originalidade com alguma imaginação. 

Rosetas ou outras peças em crochet, já sem uso, adquirem "nova vida" colocadas sobre um tabuleiro de madeira pintada.




Material:

- Tabuleiro em madeira;
- Tinta acrílica;
- Pincéis;
- Cola branca ou para decoupage;
- Verniz marítimo;
- Peças em crochet.


Como fazer:

Foto: "comjeitoearte", 2017

1 - Pinte o tabuleiro com tinta acrílica. Deixe secar bem de acordo com as instruções da marca.


Foto: "comjeitoearte", 2017


2 - Coloque as diferentes peças de crochet sobre o tabuleiro. Cole as peças com o auxílio do pincel. Deixe secar. 


3 - Aplique o verniz marítimo para impermeabilizar a superfície. 



Foto: "comjeitoearte", 2017





segunda-feira, 1 de maio de 2017

Mário Soares I Maio de 1974

Autor: João Abel Manta; Maio de 1974




Mário Alberto Nobre Lopes Soares (1924-2017) foi um político português. Chefiou três Governos Constitucionais da Terceira República Portuguesa: I Governo Constitucional, entre 1976 e 1977; II Governo Constitucional, em 1978; IX Governo Constitucional, entre 1983 e 1985.

Exerceu as funções de Presidente da República Portuguesa durante dois mandatos, entre 1986 e 1996.

Ao longo da sua vida foi distinguido com as seguintes condecorações: Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo de Portugal (9 de Abril de 1981); Grande-Colar da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito de Portugal (9 de Março de 1991); Grande-Colar da Ordem da Liberdade de Portugal (9 de Março de 1996). 

No dia 28 de Abril de 1974, regressou do exílio em Paris. A 1 de Maio de 1974, participou nas primeiras comemorações do Dia do Trabalhador, após o 25 de Abril.

Em Maio de 1974, o arquitecto, pintor e ilustrador João Abel Manta, homenageia Mário Soares com um expressivo cartoon.


Fontes: 

João Abel Manta,Cartoons 1969-1075. Edicões "O Jornal", 1975Lisboa

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Abel_Manta

https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Soares

https://pt.wikipedia.org/wiki/Governo_da_Rep%C3%BAblica_Portuguesa

terça-feira, 25 de abril de 2017

As conquistas de Revolução de Abril I MFA


"Os presentes das Forças Armadas" para o povo português, no cumprimento das promessas dos capitães de Abril.  

As conquistas de Abril, neste belo e significativo cartoon de João Abel Manta, realizado em Dezembro de 1974.


Democracia
Liberdade
Paz
Eleições Livres
Descolonização
Liberdade de Imprensa
Justiça
Educação
Cultura
Direito à Greve
Dinamização Cultural
Assistência
Saneamento
Prestígio Internacional



Fontes: 
João Abel Manta,Cartoons 1969-1075. Edicões "O Jornal", 1975Lisboa

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Abel_Manta


sábado, 15 de abril de 2017

Ovos de Páscoa decorados

1 - Ovos com colagem de bijutarias


Faça uma Páscoa diferente com ovos decorados por si. Ovos de galinha, pato ou de avestruz, alguns objectos reciclados, bijutarias, botões, galões, fitas e rendas de vários tipos, são o material necessário. 

Ovos com bijutarias

Crie ovos que fazem lembrar os famosos Fabergé.

Material:

- Ovos de galinha, pato ou avestruz;
- Bijutaria variada:
- Tinta acrílica;
- Cola universal;
- Verniz;
- Prego fino;
- Pincel;
- Barro ou plasticina.

Realização:

1 - Fure  cuidadosamente cada extremidade do ovo (utilize um prego fininho). Sopre  por uma das extremidades (a mais estreita) até sair toda a clara e gema. Lave o ovo.

2 - Coloque sobre plasticina ou barro.

3 - Pinte a casca do ovo com a cor escolhida. Deixe secar e envernize.

4 - Cole as bijutarias e outros elementos de decoração.

5 - Faça uma base  para colocar o ovo (imagem 1).


Ovos com fitas e rendas

Os ovos da imagem em baixo (ovos de Páscoa), foram cobertos com papel camurça. Sugiro a pintura com tinta sobre ovos de galinha ou de pato.


2 - Ovos com colagem fitas e rendas

Material:

- Ovos de Páscoa, de galinha ou de pato;
- Tinta acrílica;
- Cola universal;
- Verniz;
- Prego fino;
- Pincel;
- Barro ou plasticina;
- Fitas e rendas cariadas;
- Papel de camurça ou outro maleável. 


Realização:

1 - Fure  cuidadosamente cada extremidade do ovo (utilize um prego fininho). Sopre  por uma das extremidades (a mais estreita) até sair toda a clara e gema. Lave o ovo.

2 - Coloque sobre plasticina ou barro.

3 - Pinte a casca do ovo com a cor escolhida. Deixe secar.

4 - Cole as rendas e fitas e outros elementos de decoração.

5 - Envernize.

5 - Se preferir utilizar um ovo de Páscoa, tire a embalagem do ovo e embrulhe-o em papel camurça, esticando para que as rugas fiquem só de um lado (imagem 2)

6 - Proceda como no passo 4.





Fonte:

Artesanato. 1981. LISA. 

terça-feira, 28 de março de 2017

Mário Eloy - Cartoon

João Abel Manta, cartoon, 1974




O artista plástico Mário Eloy (1900-1951), homenageado pelo arquitecto, pintor e ilustrador João Abel Manta.


Fontes: 

João Abel Manta,Cartoons 1969-1075. Edicões "O Jornal", 1975Lisboa

https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Eloy

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Abel_Manta



terça-feira, 14 de março de 2017

Marcadores de livro - bichos

1 - Marcador com cisne


Uma sugestão de presente para o Dia do Pai, que pode realizar com facilidade. 

Estes bichinhos coloridos, vão ajudar o pai a não se perder na leitura.



2 - Marcador com peixe


Material:

- Cartolina colorida;
- Papel vegetal;
- EVA ou cartolina;
- Tesoura;
- X-acto;
- Cola.


Passo a Passo:

3 - Molde para EVA ou cartolina

1 -  Recorte o molde da imagem 3 em EVA ou cartolina, na cor laranja (imagem 9).


4 - Molde para cartolina. A forma oval é o recorte para segurar as páginas.

2 - Recorte o molde da imagem 4 em cartolina, na cor amarelo (imagem 9). Recorte cada uma das partes sombreadas a cinzento. A forma oval (em cima) é o recorte para segurar as páginas. Depois de recortado é vincado para cima (imagem 1 e 5).


3 - Cole as duas partes do marcador uma sobre a outra. Recorte a parte que segura as páginas (imagem 5). 



 5 - Marcador com cisne


4 - Proceda como referi no passo 3  para o marcador com forma de peixe.


6 - Molde para cartolina


7 - Molde para cartolina. A forma não sombreada é o recorte para segurar as páginas.


8 - Marcador com peixe
9 - Cada marcador e constituído por duas partes que são sobrepostas e coladas.










quarta-feira, 8 de março de 2017

Dia Internacional da Mulher 2017



No Dia Internacional da Mulher, recordo a escritora e poetisa são-tomense Alda do Espírito Santo (1926-2010), no poema dedicado às mulheres do distrito de Água Grande .  

A ilustração é do pintor português Júlio Resende (1917-2011).


"Lá no Água Grande"

Lá no Água Grande a caminho da roça 
negritas batem que batem co'a roupa na pedra
Batem e cantam modinhas da terra.


Cantam e riem em riso de mofa*
histórias contadas, arrastadas pelo vento.


Riem alto de rijo, com a roupa na pedra
e põem de branco a roupa lavada.


As crianças brincam e a água canta.
Brincam na água felizes...
Velam no capim um negrito pequenino.


E os gemidos cantados das negritas lá do rio
ficam mudos lá na hora do regresso...
Jazem quedos no regresso para a roça.  

*Mofa é sinónimo de escárnio, troça, chacota, zombaria.
Alda do Espírito Santo
São Tomé e Príncipe 
Fontes:

Primeiro livro de poesia. 1991. Editorial Caminho e Sophia de Mello Breyner Andresen. ISBN 972-21-0597-3
https://pt.wikipedia.org/wiki/Alda_do_Esp%C3%ADrito_Santo
https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81gua_Grande


segunda-feira, 6 de março de 2017

Festival da canção !?


Intitulado "festival", o cartoon realizado pelo arquitecto, pintor e ilustrador João Abel Manta, em 1972, é intemporal.




Fontes:

João Abel Manta,Cartoons 1969-1075. Edicões "O Jornal", 1975Lisboa

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Abel_Manta





segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Máscara de Borboleta

1 - Máscara de borboleta


Material:

- Folha de papel canson branco, 50x65cm;
- Cartolina, 43x33cm;
- Papel crepe em cores vivas;
- Arame para flores, 60cm;
- Bolas de esferovite colorida, 7;
- Cola para papel;
- Elástico, 60 cm;
- Tesoura;
- Lápis;
- Régua graduada.



2 - Molde
Passo a Passo:


1 - Sobre a cartolina, reproduza o molde da máscara (2). Recorte.

2 - Coloque o molde sobre o papel canson. Com o lápis, trace o contorno. Recorte.

3 - Faça um orifício nos pontos E, assinalados a encarnado, e no ponto A, assinalado a encarnado (2).



3 - Parte de trás da máscara. Molde da "escama".


4 - Sobre cartolina, desenhe um rectângulo com 10 x 5cm. Trace um semicírculo num dos lados(3). Recorte.

5 - Coloque o molde obtido (passo 4) sobre papel crepe de várias cores. Recorte uma série de formas iguais "escamas". 

6 - Cole sobre as faces da máscara uma série de "escamas", contornando e ultrapassando as extremidades (3 e 1).

7 - Sobreponha nova camada de "escamas". Não cole as partes redondas, deixe-as soltas (1).

8 - Para o corpo da borboleta, recorte um triângulo em papel colorido. Cole sobre o nariz da máscara (1). Coloque sobre este 5 bolas de esferovite.

9 - Para as antenas da borboleta, corte o arame em duas partes iguais. Coloque uma bola de esferovite na extremidade de cada uma das partes. Fixe as outras duas extremidades no ponto A, assinalado a encarnado (3).

10 - Prenda o elástico nos orifícios E, que correspondem às orelhas, assinalados a encarnado (3). 


domingo, 26 de fevereiro de 2017

Almada Negreiros - Cartoon

João Abel Manta, cartoon, 1971



O artista plástico José de Almada Negreiros (1893-1970), homenageado pelo arquitecto, pintor e ilustrador João Abel Manta.


Fontes: 
João Abel Manta,Cartoons 1969-1075. Edicões "O Jornal", 1975. Lisboa

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Abel_Manta

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Lenços de mão bordados I Portugal

Lenço de cambraia e renda de agulha de Bruxelas, século XIX; dimensões: 364 x 360 mm. Pertenceu à colecção da Rainha D. Amélia de Portugal. De forma quadrada, num dos cantos está ornamentado pela coroa real. Sob a coroa real, vê-se a inicial "A", de Amélia. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  



O lenço como acessório ornamental do traje aparece na Itália renascentista do século XVI. Sendo um dos acessórios muito apreciado, como os leques e as luvas, foi adoptado pela França e Alemanha.


No decorrer dos séculos XVII, XVIII e XIX, o lenço mantém destaque como complemento do traje e torna-se requintado, guarnecido das mais belas e preciosas rendas.














Lenço de cambraia e rendas, bordado à mão, século XIX. De forma circular, é composto por cambraia bordada e rendas. No centro, cercadura bordada com motivos vegetais e iniciais coroadas. O lenço é rematado por um largo folho de renda Valenciennes Dimensões: 397 mm. Pertenceu à colecção da Rainha D. Amélia de Portugal. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  
Lenço de cambraia e renda, bordado à mão, 1900-1905. De forma quadrada, num dos cantos está ornamentado pelo monograma coroado de Amélia de Orléans. Faixa bordada formando medalhões. O lenço é rematado por renda Valenciennes, com decoração de motivos florais e vegetalistas. Dimensões: 400 x 385 mm. Pertenceu à colecção da Rainha D. Amélia de Portugal. Museu Nacional do Traje e da Moda transferido do Museu Nacional dos Coches. MatrizNet

No século XIX, os lenços dividem-se em duas categorias: o lenço vulgar, confeccionado de cassa ou cambraia lisa, sem ornamentação ou guarnecido por uma simples bainha aberta e rematado por renda de bilros, destina-se a uso diário;
o lenço mais delicado, trabalhado cuidadosamente sobre cassa ou cambraia fina, rematado de belas e preciosas rendas, sobressai como acessório ornamental do traje. 


Lenço de cambraia de linho, bordado à mão; 1900. Lenço de forma quadrada, de bordos recortados, ornamentado por uma cercadura bordada de pequenos ramos e folhinhas soltas. Num dos cantos o monograma da Rainha D. Amélia de Portugal, encimado por uma coroa. Dimensões: 370 x 360mm. Pertenceu à colecção da Rainha D. Amélia de Portugal. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  

Lenço de cambraia de linho, bordado à mão; 1900. Lenço de forma quadrada, de bordos recortados, ornamentado por uma cercadura bordada de pequenos ramos e folhinhas soltas. Num dos cantos o monograma da Rainha D. Amélia de Portugal, encimado por uma coroa (pormenor). MatrizNet

Nas décadas de 30 e 40, do século XIX, o lenço atinge o seu mais alto grau. A par dos acessórios femininos desta época, o lenço merece especial atenção, ornamentado de bordados finíssimos, frescos e leves, marcando o bom gosto e a elegância de quem o usa.
Na década de 50, a ornamentação das margens torna-se mais discreta em relação aos cantos. Sobressaem monogramas guarnecidos de flores e grinaldas, bordados num canto ou no centro do lenço.

Lenço de cambraia e renda, bordado à mão; século XIX. Lenço de forma quadrada, com cercadura em crivo com ramos dispersos e iniciais bordadas. Renda de bilros estreita remata o lenço. Ornamentação nos quatro cantos de diversos motivos figurados e respectivas legendas: "Saudade"; "O Filho Pródigo"; "O Pagem do Duque de Bretanha"; " O Homem Ciozo". Dimensões: 490 mm. Pertenceu a Maria Lobo de Ávila Lima. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  
Lenço de cambraia e renda de agulha de  Bruxelas; século XIX. Lenço de forma quadrada, tem o centro em cambraia finíssima ornamentado por renda com motivos florais diversos. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  
Lenço de linho e renda, bordado à mão; século XIX. Ao centro um pequeno quadrado de linho, contornado por barra trabalhada em crivo finíssimo com decoração floral. Remate em renda de bilros com bordos recortados. Dimensões: 410 mm. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  

O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 1 de Julho de 1836, tomo 1 (na imagem, a senhora que está sentada segura um lenço rematado por folho, na mão esquerda.). - Biblioteca Nacional de Portugal 
O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 1 de Agosto de 1836, tomo 1, pág. 114. (pode ler-se no canto superior esquerdo, a tendência da moda sobre o uso de lencinhos - Biblioteca Nacional de Portugal
Modas.
 (...)
- Os fichús, ou lencinhos á camponesa; os guarnecidos de renda, ou de prégas, são os que as Senhoras agora empregam. Os lencinhos ou fichús guarnecidos de renda são os mais elegantes pela variedade e bom gosto que nelles se nota.
(...)
O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 1 de Agosto de 1836, tomo 1, pág. 114 (em cima, na imagem, canto superior esquerdo)

O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 1 de Abril de 1837, tomo 2 (na imagem, a senhora segura um lenço e um leque na mão esquerda). - Biblioteca Nacional de Portugal

Lenço de tecido e renda de bilros; século XIX-XX. Renda de bilros com motivos florais; decoração de fuccias. Dimensão 280 x 280 mm. Autoria de Maria Augusta de Prostes Bordalo Pinheiro. Museu do Chiado - Museu Nacional de Arte Contemporânea. MatrizNet.
Lenço de linho e renda, bordado à mão; século XIX. Lenço de forma quadrada, rematado nas extremidades por renda de bilros estreita.  Ao centro, um pequeno quadrado de linho, com monograma bordado, ornamentado em toda a volta por larga barra em bainha aberta com pontos diferentes. Dimensões: 320 mm. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  
Lenço de cassa e renda, bordado à mão; século XIX. Lenço de forma quadrada, ornamentado por cercadura bordada formando pequenos quadrados. Cada um dos quadradinhos tem bordado um motivo floral. O lenço é rematado nas extremidades por renda de bilros Valenciennes. Dimensões: 470 x 460mm. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  
A partir da década de 60, do século XIX, o bordado simplifica-se, os motivos tornam-se mais rígidos e perdem muito da sua leveza anterior. É comum verem-se lenços com um simples motivo bordado a um canto e as iniciais dos monogramas mais reduzidas e menos ornamentadas. 

Nos lenços mais elaborados, embora o bordado se simplifique, a renda continua a aplicar-se, sendo a renda de Valenciennes a mais utilizada.


Lenço de cassa e renda; século XIX. Centro de cassa lisa. Guarnecido de renda francesa ou belga, apresenta os cantos e lados recortados. Dimensões: 318 x 315 mm. Foi usado por Celeste Cinatti, mãe de D. Beatriz Cinatti Batalha Reis, a 5 de Setembro de 1872, dia do seu casamento com Jaime Batalha Reis. Oferecido por D. Beatriz Cinatti Batalha Reis, ao museu. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  


Lenço de cambraia e renda Valenciennes, bordado à mão; século XIX. Lenço de forma quadrada, com centro de cambraia decorado por uma faixa bordada de motivos fitomórficos, aplicada sobre a renda das extremidades. Num dos cantos vêem-se bordadas as iniciais "B. C.", de Beatriz Cinatti, pessoa de família da doadora, que usou este lenço no dia do seu casamento, anterior a 1871. Dimensões: 377 x 360 mm. Oferecido por D. Beatriz Cinatti Batalha Reis, ao museu.  Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa


Lenço de cassa, bordado à mão; século XIX. Lenço de forma quadrada, de cantos e lados arredondados com recorte miúdo em caseado. Ornamentado por motivos florais e animalistas. Nos cantos vêem-se cornucópias floridas, veados e corças. Os motivos animalistas são executados em ponto de cadeia minúsculo, e os motivos florais em ponto de agulha, a cheio, ilhós e pintinhas. Dimensões: 410 x 400mm. Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  

No decorrer do século XIX, as proporções dos lenços sofrem alterações. Os lenços de cerca de 60 cm de lado, passam para 45 cm após meados do século, e para 30 cm nos finais do século, diminuindo as dimensões à medida que o século avança.


O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 31 de Maio de 1844; legenda: "Chapéo de escomilha. Vestido de seda. Mangas e fichú de cassa. Chapéo de gase. Vestido de seda. Mantelete de tarlatana." A senhora que está sentada segura um fichú (lencinho guarnecido de renda) de cassa, na mão direita. Biblioteca Nacional de Portugal


O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 31 de Maio de 1844, pág. 40. (pode ler-se no canto superior esquerdo, exemplo de toilette de passeio, em que o lenço é acessório ornamental do traje) - Biblioteca Nacional de Portugal.


Modas.

Toilettes diversas.

Toilette de passeio. -  (...)

Dita. -  Chapéo de palha de arrôz, ornado de uma ave do paraiso e fitas côr de rosa. Vestido de grô de India, côr de bronze, guarnecido em roda da saia de dois folhos. Corpo liso e decotado. Mangas justas. Manta de barége branca. Cabeção e punhos de renda. Luvas brancas. Lenço de assoar de cambraia, guarnecido de rendas. Botinhas pretas.
O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 31 de Maio de 1844, pág. 40 (na imagem, em cima, canto superior esquerdo).
O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 31 de Outubro de 1852 (na imagem, as senhoras seguram lenço, na mão direita). Biblioteca Nacional de Portugal
O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 31 de Outubro de 1852, pág. 174 (pode ler-se  na coluna da direita, ao centro, exemplo de toilette de passeio,  em que o lenço é acessório ornamental do traje). Biblioteca Nacional de Portugal
Modas.
 Toilettes diversas.
Toilette de passeio. - (...) 
Dita. - Chapéo de cetim branco, ornado de plumas e fitas da mesma côr. Vestido de tafetá côr de ganga, guarnecido em roda da saia de quatro ordens de folhos estampados com listas escarlate e brancas; e na extremidade ornados de uma pequena franja branca. Corpo liso, afogado e aberto até á cintura, ornado no decote de uma banda, descendo até á cintura. Mangas largas, e guarnecidas de cinco ordens de folhos, iguaes aos da saia. Sob-mangas e camizeta de renda. Luvas brancas. Lenço de assoar de cambraêta de linho bordado. Botinhas de setim preto.
O Correio das Damas: jornal de litteratura e de modas, 31 de Outubro de 1852, pág. 174  (na imagem, em cima,  coluna da direita, ao centro).

Lenço de amor; século XX. Lenço de forma rectangular, cor bege, bordado a ponto cruz com linha laranja. A orla é recortada, debruada com linha bege, em ponto de casear. A peça tem dois entremeios de crivo branco. Dimensões: 48,5 X 51 cm. Proveniência: Meadela. Museu Nacional de Etnologia. MatrizNet
Lenço de amor; século XX. Lenço de forma rectangular, cor algodão branco, bordado a ponto de cruz com linhas verde e vermelha. A orla é rectilínea guarnecida com renda industrial branca. O motivo central apresenta um escudo real, cercado por uma silva que forma um quadrado.  Dimensões: 43,5 X 46,5 cm. Proveniência: Barcelos. Museu Nacional de Etnologia. MatrizNet
Lenço de namorados; século XIX. Lenço em cambraia bordado à mão. Cercadura de cravos bordada a encarnado e azul em ponto de cruz. Contornando os quatro lados do lenço, lêem-se as seguintes legendas: " Se ha nas dadivas pomposas" / "Monumentos de vaidade" / "Ostentao pequenos mimos" / "Penhor de pura amisade". Ao centro, pequeno rectângulo bordado com cravos minúsculos. Dimensões: 680 X 700 mm.
Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  
Os lenços de namorados, bordados pelas raparigas casadoiras, eram oferecidos aos seus noivos e eles usavam-nos com o seu traje domingureiro. As quadras bordadas e outras decorações de sabor popular, são por vezes, passadas entre gerações de mulheres da mesma família.


Revista "Modas e Bordados", nº 1663, de 22 de Dezembro de 1943., pág. 13. Sugestão de bordados para lencinhos, executados em crepe georgette branco, ou outras cores em tons claros.

Revista "Modas e Bordados", nº 1595, de 2 de Setembro de 1942, pág. 14. Sugestão de bordado para canto de lenço.

Revista "Modas e Bordados", nº 1601, de 14 de Outubro de 1942, pág. 12. 

Para guardar os lenços

Bonito "sachet" em crepe de China ou cambraia verde claro, onde os lenços mais delicados estariam perfeitamente acomodados. O "sachet" é acolchoado, sendo o motivo florido bordado a "ponto de argola" para as flores e a "cheio" para as folhas.
Revista "Modas e Bordados", nº 1601, de 14 de Outubro de 1942, pág. 12. 

Lenço de linho, bordado à mão; cerca de 1950.  Lenço de forma quadrada, em linho branco. Canto com motivos vegetalistas em ponto de agulha, a cheio e ponto pé de flor minúsculo, e motivos florais em ponto de agulha, em bordado inglês. Bordado com linha branca. Dimensões: 410 x 400mm. Extremidade do canto com recorte miúdo caseado (foto "comjeitoearte").

Lenço de cambraia, bordado à mão; século XX. Lenço de forma quadrada, em cambraia branca. Canto com motivos florais em ponto de agulha, a cheio, ajour e crivo bordado. Bordado com linha branca. Dimensões: 260 x 260mm.(foto "comjeitoearte").
Além do lenço de mão e do lenço de algibeira, existem os lenços de cabeça, os lenços de pescoço, e o lenço "tabaqueiro", menos conhecido que os anteriores. Este tipo de lenço está ligado ao uso de rapé, hábito difundido na sociedade do século XIX, e inícios do século XX. O grande formato e a confecção em tons escuros com largas barras de riscas, caracterizavam este lenço. 

Lenço de linho, bordado à mão; século XX.  Lenço de forma quadrada, em linho branco. Canto com monograma e motivos  florais em ponto de agulha, a cheio, ponto pé de flor minúsculo e ponto de sombra. Bordado com linha branca e cor de rosa. Extremidade do canto com recorte miúdo caseado, bordado com linha cor de rosa. Dimensões: 320 x 320mm.(foto "comjeitoearte").

Lenço de cambraia, com renda industrial alemã; cerca de 1970. Lenço de forma quadrada, guarnecido nas extremidades com renda. Dimensões: 270 X 270mm (foto "comjeitoearte").

Lenço de seda, com renda de bilros; cerca de 1940. Lenço de forma quadrada, guarnecido nas extremidades com renda de bilros. Dimensões: 210 X 220mm (foto "comjeitoearte").


Na literatura portuguesa, mais concretamente na obra "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós (1845-1900), o uso do lenço, para além de símbolo de estatuto, tem "linguagem própria"...  

(...)
O Cavaleiro, ao espelho, esticava o fraque - que experimentara abotoado, depois repuxadamente aberto sobre o colete de fustão cor de azeitona onde, no trepasse largo, tufava a gravata de sedinha clara, prendida por uma safira. Por fim, encharcando o lenço com essência de feno:
(...) Cólera contra a irmã que, calcando pudor, altivez de raça, receio dos escárnios de Oliveira, tão fácil e estouvadamente como se calcam as flores desbotadas de um tapete, correra ao mirante, ao macho da bigodeira, apenas ele lhe acenara com o lenço almiscarado! (...)
Queiróz, Eça. A Ilustre Casa de Ramires, Livros do Brasil: 2015. (págs. 190 e 272).
Retrato da rainha D. Maria Pia, cerca de 1875-1885. Óleo sobre tela. Autor: Louis S. MaeterlincK. Dimensão: 239 x 138.cm. Palácio Nacional de Mafra. (A rainha segura um lenço na mão direita). MatrizNet



(...)

Na alta sociedade das cortes desenvolveu-se com o tempo uma linguagem elaborada dos lenços de assoar. Desta forma, o acenar com um lenço na partida significava: “Vou permanecer-te fiel!; um lenço pendurado na janela avisava: “Cuidado estou a ser vigiada!”; um lenço deixado cair do bolso das calças como que por acaso queria dizer: “O meu coração pertence a outrem.”
 (...)
RANGA YOGESHWAR, Almanaque da Curiosidade Casa das Letras. 1ª ed  2011. págs. 151 e 152. 
   

Retrato da rainha D. Catarina de Bragança, cerca de 1662-1668. Óleo sobre tela. Autor: Desconhecido. Dimensão: 163 x 133.cm. Museu Nacional dos Coches. (A rainha segura um lenço na mão direita, pousada sobre o regaço). MatrizNet

Fontes:

Siqueira, Maria Laura Viana (1977). "Lenços", Ensaios nº 9. Museu Nacional dos Coches.  Ministério da Comunicação Social: Lisboa  

Queiróz, Eça. A Ilustre Casa de Ramires, Livros do Brasil: 2015. (págs. 190 e 272).


RANGA YOGESHWAR, Almanaque da Curiosidade Casa das Letras. 1ª ed  2011pág 152

https://books.google.pt/books?id=kkxNheyXNiYC&hl=pt-PT&source=gbs_navlinks_

http://purl.pt/14346

http://www.matriznet.dgpc.pt/matriznet/home.aspx